Notícias

Não existe uma fórmula para lidar com o tempo!

O modo de lidar com o tempo costuma variar de pessoa para pessoa. De acordo com uma pesquisa feita por Anne-Laure Sellier, professora da HEC Paris, e Tamar Avnet, professora da escola de negócios da Universidade Yeshiva, em Nova York, a maioria das pessoas se organiza de 2 formas diferentes: seguindo o relógio ou seguindo os eventos que precisam ser realizados no dia.

A maior parte da população de países ocidentais organiza o tempo pelo relógio. Eles definem um horário para começar e para terminar cada atividade do dia. Dentro da pesquisa, eles foram chamados de “cronômetros de relógio”.

Já nos países árabes, por exemplo, uma reunião não costuma acontecer em um horário específico, e sim quando os participantes terminam a atividade anterior da lista de afazeres. Nesse caso, o que rege a agenda é a conclusão das atividades, todas as atividades precisam ser concluídas para que outra comece. O horário não importa. As pesquisadoras chamam essas pessoas de “cronômetros de eventos”.

Dentro da Programação Neurolinguística, conseguimos identificar os perfis pela estrutura da sua linha do tempo, ou seja, entendendo como o cérebro da pessoa organiza as informações temporais. Assim, conseguimos tirar o melhor de cada um. Dentre outras divisões e características, na linha do tempo, a pessoa pode ser considerada “in time” ou “through time”. As pessoas “in time” apresentam comportamentos similares aos orientados por eventos e as pessoas through time aos orientados por relógio.

Não há certo nem errado.

Se a pessoa se orienta pelos eventos, ela tende a entregar as tarefas com muita qualidade, já que pode demorar o tempo que for necessário. No entanto, pode ser que esse perfil procrastine mais ou se torne perfeccionista.

Já se a pessoa orientada pelo relógio, consegue driblar a procrastinação, é mais focada e é mais produtiva. No entanto, tem mais dificuldade de sentir as emoções positivas ao concluir uma tarefa, ou seja, pode ter menos prazer com o cumprimento da rotina.

Vamos praticar?

A parte boa é que nós conseguimos alternar entre os perfis “cronômetros de relógio” e cronômetros de eventos”. Na verdade, ninguém é 100% uma coisa o tempo todo.

Então, teste fazer o seguinte exercício:

Se você está acostumado a se organizar por uma lista de tarefas, ordene por prioridade. Assim você tem certeza de que vai resolver as atividades importantes a tempo.

Se você se orienta pelo relógio, garanta que colocou uma visão realista de quanto tempo será necessário para cada atividade. Se colocamos menos tempo que o necessário, ou não entregamos com uma qualidade desejada ou atrasamos o cronograma inteiro e nos frustramos.

Se você quiser mais dicas de produtividade, comenta aqui para a gente o que você quer ver!

(70)

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *